HOMEOPATIA E CARACTERÍSTICAS HOMEOPÁTICAS

HOMEOPATIA E CARACTERÍSTICAS HOMEOPÁTICAS
Rosmeire Paixão é Homeopata Clássica Terapeuta CONAHOM 1274 email: rosmeire.homeopatias@gmail.com

quinta-feira, 6 de outubro de 2016

Benefícios da Homeopatia para pacientes com Câncer



A terapia homeopática desenvolvida pelo médico alemão Cristiano Frederico Samuel Hahnemann visa estimular a capacidade do organismo à cura. Alguns trabalhos publicados tem indicado que medicamentos homeopáticos modulam o sistema imune. Cesar e colaboradores publicaram em 2008 um trabalho demonstrando que os medicamentos homeopáticos ativam macrófagos e induzem a liberação de citocinas, Salvago e colaboradores publicaram um artigo em 2010 indicando que estes e outros efeitos podem fortalecer o organismo na luta contra o câncer.

Diversos benefícios da Homeopatia podem contribuir para o paciente diagnosticado com câncer. A homeopatia ajuda a diminuir os efeitos colaterais da quimioterapia e da radioterapia, melhora a função dos órgãos, facilita a desintoxicação, diminui edemas e a incidência de infecções e inflamações. Ajuda a melhorar o apetite e a absorção intestinal dos nutrientes. Contribui para diminuição da dor aguda e crônica, atua no equilíbrio emocional e mental melhorando, deste modo, a qualidade de vida do paciente oncológico. Além disso, a homeopatia também pode favorecer os pacientes no pré e pós-operatório, fazendo com que ocorra menor sangramento e inflamação durante o ato cirúrgico, e a cicatrização ocorre de forma mais rápida e eficaz.

Resultados mostram que in vitro, in vivo e ex vivo com tratamento Homeopático estimula citocinas importantes na diferenciação celular e sobrevivida de células de linhagem monocítica específicas e seus precursores.

Este estudo que foi realizado Universidade do Texas – EUA concluiu, curiosamente, que o efeito citotóxico de dois dos remédios homeopáticos investigados neste estudo, o Carcinosinum e o Phytolacca, pareceu similar à atividade do paclitaxel, o fármaco quimioterápico mais comumente usado para câncer. 

É importante salientar que, no paciente oncológico, a homeopatia não substitui a terapia convencional. O medicamento Homeopático é aprovado pela Anvisa-Brasil e FDA-USA, regulamentada pelo Conselho Federal de Medicina e reconhecida como prática médica pela Organização Mundial de Saúde – OMS, além de estar inserido na Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares em Saúde pelo Ministério da Saúde do Governo Federal. O medicamento Homeopático pode ser administrado junto com radioterapia e outros remédios alopáticos e quimioterápicos de forma complementar sem risco de interação medicamentosa ou prejuízos ao paciente.

O uso de terapias complementares e alternativas é particularmente elevado entre os pacientes com doenças graves como câncer. Bellavitte publicou um trabalho em 2005 indicando que na década de 90 nos EUA a venda de medicamentos homeopáticos teve um aumento de 25% ao ano. Um estudo do ano de 2000 do The National Center for Complementary and Alternative Medicine (NCCIH) demonstrou que 69 % dos 453 pacientes com câncer pesquisados haviam utilizado também o tratamento da medicina Complementar.

Um dos problemas no qual o uso de medicamentos homeopáticos pode ser útil é a complicação que pode ocorrer após uso da radiação ionizante da radioterapia, chamada de radiodermatite (lesões na pele do paciente). Convencionalmente, esta condição é tratada com anti-histamínicos e corticosteróides tópicos potentes, nem sempre com sucesso. Isto afeta a qualidade de vida do indivíduo com alteração da imagem corporal, autoestima, levando ao isolamento social. Dr. Shilappack realizou um estudo em 2004 com 25 pacientes que fizeram uso da radioterapia após cirurgia para câncer de mama e apresentaram radiodermatite. Estes pacientes foram consultados e foi feita a escolha do medicamento em dose única para a coceira provinda da radiodermatite, através da técnica de repertorização homeopática. Após o uso do tratamento homeopático, obteve-se uma melhora em 85% dos casos.

O Câncer na atualidade

Com base no documento World cancer report 2014 da International Agency for Research on Cancer (Iarc), da Organização Mundial da Saúde (OMS), é inquestionável que o câncer é um problema de saúde pública, especialmente entre os países em desenvolvimento, onde é esperado que, nas próximas décadas, o impacto do câncer na população corresponda a 80% dos mais de 20 milhões de casos novos estimados para 2025. Segundo o INCA, os tipos de câncer mais incidentes no mundo são pulmão (1,8 milhão/ano), mama (1,7 milhão/ano), intestino (1,4 milhão/ano) e próstata (1,1 milhão/ano) e a estimativa para o Brasil, para biênio 2016-2017, aponta para a ocorrência de cerca de 600 mil casos novos de câncer. A Organização Mundial da Saúde (OMS) divulgou em 2011 dados estatísticos acerca da incidência de câncer, indicando que esta é uma das principais causas de morte no mundo, tendo sido responsável por cerca de 13 % de todas as mortes.

Cada vez mais estudos comprovam a utilidade da Homeopatia para melhorar a saúde e qualidade de vida de pacientes oncológicos. A Homeopatia, prática médica reconhecida pelo Conselho Federal de Medicina desde 1980, ganha progressivamente mais adeptos e comprova, com milhares de estudos e pesquisas científicas publicadas nas mais importantes revistas do mundo, a sua eficácia em benefício do paciente, mesmo que diagnosticado com uma doença grave em tratamento paliativo com prognóstico reservado. A complementaridade da alopatia e homeopatia, utilizando o que de melhor existem destas duas tecnologias, traz mais benefícios ao paciente e, no caso do câncer, a homeopatia pode ajudar a tratar a doença, minimizando o sofrimento, melhorando a qualidade de vida, atuando em parceria com os tratamentos convencionais, como quimioterapia e radioterapia. Há uma sinergia entre os tratamentos e isto é benéfico para o paciente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário